terça-feira, 30 de novembro de 2010

Dakar 2011. Está chegando!!!


Como todo mundo já sabe, a KTM está de volta com duas equipes oficiais, a Red Bull, de Despress e Ruben Faria, e a MRW de Coma e Juan Garcia Pedrero.
Esta ano o número de motos aumentou para 183, sendo 62 KTM, 43 Yamaha, 33 Honda, 13 Aprilia, 9 BMW, 8Beta, 3 Husaberg, 3 Jincheng, 3 Kawasaki, 3 Sherco, 1 Bultaco, 1 Husquarna e 1 JVO.
E os pilotos são 31 franceses, 30 argentinos, 19 espanhois, 14 italianos, 12 chilenos, 12 Holandeses (que os franceses chamam de “Pays-Bas”), 8 ppotugueses, 6... e por ai vai.
Consegui identificar 7 mulheres pelo nome, mas como os nomes as vezes enganam... pode ser que tenha mais.

Além da mudança que obriga todos os pilotos da elite da ASO a usarem motos de no máximo 450cc, liberando para os demais o uso de motores maiores, mas com aquele dispositivo que limita a entrada de ar, e por consequência a potência e desempenho dos grandões, este anos tem também mudanças na navegação. Em cada especial, o road-book inclui vários way-points (WPM) ocultos, dos quais os concorrentes devem aproximar-se, a fim de validar a sua passagem. No final do estágio, quem deixar de passar por todos estes way-points é penalizado. Até o ano passado, os tais WPM ocultos apareciam no GPS a partir do momento em que se estivessem dentro de um raio de 3 km do WPM. Agora, eles terão que chegar mais perto, pois o WPM só vai aparecer quando estiverem a 800 m do WPM. E vale lembrar que isso já deu confusão para o Marc Coma no rally do Marrocos.

Falando ainda da limitação em 450cc, a organização diz que a primeira consequência desta mudança foi a participação de muitos construtores capazes de competir em condição de equilíbrio com as KTM, tais como Yamaha, Honda, BMW, Aprilia ou Sherco. Parece que tá dando certo, pois no ano passado, das 151 motos que largaram metade era KTM, e em 2011 isso caiu para 1/3.

Tem rolado por ai em vários blogs a notícia de que em 2012 o Dakar teria início no Rio de Janeiro e terminaria no Peru. Ettienne Lavigne, disse que já fez reuniões com os governos e, inclusive, avaliou possíveis rotas por onde a prova passaria, e que a ASO está aguardando um retorno e interesse por parte dos países envolvidos para poder viabilizar a prova. Por enquanto não tem nada de oficial, mas ...

Vamos ficar de olho.

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

XTZ 250... pobrezinha!!! de Ténéré mesmo só veio o nome...

Então... já está nas concessionárias a nova Yamaha XTZ 250 Ténéré, exclusiva para o mercado brasileiro.
Como diz o nosso amigo Ruy, "uma bicicletinha".
Todo mundo esperava, pelo menos, uma versão Ténéré da 660, mas a "pobrezinha" veio 250...

Mesmo motorzinho da Lander, espremido para dar 21cv, e tanquinho de 16l.
No Brasil família Ténéré ficou conhecido pelas saudosas Ténéré 600 e a Super Ténéré 750, que até hoje são sinônimo de aventura.
Eu mesmo tive uma 2GV 1990 antes do Cagivão. Com ela qual fui ao Uruguay e passei gostosos 15 dias pescando e acampando, mas essa história é meio longa e fica para outro post...

Yamaha e Ténéré tem uma história originalmente bastante ligada ao Dakar.
A Yamaha foi a vencedora da primeira edição em 1979 com uma XT500 pilotada por Ciryl Neveu, e fez a festa na década de 90, quando só perdeu para a Cagiva (huhuuuu!!!).
As primeiras Ténéré foram produzidas em 1983.
Seguiram sendo produzidas até 1993. Dizem que lá fora ainda se produziu até 1996, mas em terras tupiniquins, depois de 93 só a 750 Super, que sobreviveu até 1996 (aquela roxinha... lembram?).

E recentemente a Yamaha resolveu então relançar a "brand" Ténéré, com a Super1200 e a 660.


Que mania que brasileiro tem de pensar pequeno né...

até o próximo!

PS. (21/11 13h49) - Alguém assistiu a reportagem do Auto Esporte na Rede Globo? Algum comentário?

terça-feira, 9 de novembro de 2010

Ducati, MV Augusta e KTM - Salão de Milão bombou!!!

La crem de la crem!

Entre os dias 02 e 07 Milão foi palco do que há de melhor no mundo das motos.
A Ducati mostrou a nova "Diavel".
1200cc e 162Hp produzidos pelo Testastretta Desmodrômico, com ABS Brembo nas 2 rodas, controle de tração DTC, painel de display TFT colorido, e o escambau.
Contam que o nome "Diavel" significa "Diabo", em um dialeto da Bolonha.
Na apresentação do primeiro protótipo a um grupo de engenheiros, um deles teria dito "Ignurànt comm' al diavel!" (Má como o diabo!). A galera gostou e o nome ficou.
Aliás a Ducati tem outras histórias como esta. O nome da Monster nasceu de situação semelhante.

A MV Augusta parece pronta para virar a página e começar de novo. Depois da recompra da empresa junto à Harley-Davidson, Claudio Castiglioni deposita todas as esperanças na nova F3, e disse "Al mondo esistono molte moto belle, ma MV Augusta è un'altra cosa...".
Equipada com o novo motor 675cc de três cilindros em linha, produz 140Hp e pesa apenas 174Kg. Este motor leve e compacto foi desenhado por Ezio Mascheroni, antigo designer da Cagiva, apesar do tamanho, pode ser ampliado para 800cc. A família F3 será composta por três modelos: o sportbike , a naked Brutale, e outra no estilo supermoto.
Na tarefa de fazer brilhar novamente a MV Augusta,  Claudio será assistido pelo seu filho Giovanni e seu velho amigo desde os dias da Ducati, Massimo Bordi, que retorna ao mundo do motociclismo. O Próprio Bordi afirmou que "colocar a F3 em produção no menor tempo possível é o nosso principal alvo. Ter a F3 em nosso estoque significa mais do que dobrar nossos números de produção das atuais 4000 unidades para 10.000. Esta é a primeira etapa, em seguida, haverá uma Brutale F3, e esperamos que a nossa produção chegue a 15 mil unidades por ano, um número facilmente gerenciável pela estrutura atual da MV Agusta, e que vai garantir uma rentabilidade sólida."

E a KTM mostrou em detalhes a nova 450cc para o Dakar...

Usando um monocilindrico de 449cc, a moto pesa apenas 150Kg!!!
Ainda continua difícil achar outras informações técnicas sobre esta moto. Até imagens não são fáceis de encontrar...
Estas ai acima são do Rally do Marrocos, e eu achei meio escondidas no site da KTM.


Notem que a moto de Despres já está até com os adesivos do Dakar2011!!!


Vamos acompanhar.

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

KTM 450. Já chegou na frente...

A notícia é meio velha, mas estive em férias, então...

Despress estreou a nova KTM 450 no rally de Marrocos, e estreou com vitória!
Marc Coma deixou escapar o pódio, e a dobradinha da KTM, porque arcou com penalização de 36min, cedendo também para Helder Rodriguez (Yamaha) o segundo lugar.

Os tempos foram:
Despres - 18:17:25
Rodrigues - 18:22:55
Coma - 18:26:47

Parece que a briga no Dakar 2011 vai ser das boas!
David Frétigné (Yamaha) vai ter problemas em sua preparação para o Dakar, pois sofreu queda no Marrocos e quebrou a clavícula.

A próxima aparição da KTM450 deve ocorrer no Salão de Milão (que começa amanhã!!!).
Vamos ficar de olho!
Será que a Ducati vai dar show no Salão de novo?

Até o próximo!

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Filtro de ar.

Olá pessoal!

O filtro de ar das nossas Elefantes é uma "caixa" plástica preta com duas aberturas para conexão com os carburadores, que é feita por uma peça de borracha que com o tempo acaba ressecando e rachando (mas que o Blumm do Desmo encontrou quem fabrique), 2 conexões com as câmaras de ar características dos carburadores do tipo CV (Constant Velocity), e mais outras duas conexões com os respiros, e tudo isso fica separado das entradas de ar pelo elemento filtrante de papel.

Feita a contextualização... Lembram do Ruy?
Pois é, ele mostrou no Desmo outo dia umas fotos de uma adaptação que ele fez com outro tipo de filtros.

Fui atrás...
Achei a empresa Bravinhos que, entre outras coisas, fabrica o tipo de filtro que o Ruy usou. Fui muito bem atendido pelo Thiago, e comprei 3 filtros cônicos monofluxo baixos de 2,5".

Colocar 2 deles direto nos carburadores foi fácil. Bastou comprar as abraçadeiras. O problema ficou por conta das outras 4 conexões. Mas lembrei que o Ruy havia comentado que tinha deixado estas conexões isoladas das entradas de ar, e protegidas por um outro filtro. Segui nesta ideia, e vai ai a receita do bolo:
1 filtro de ar;
1 tampão usado em canos de esgoto;
3 conexões usadas em fogões de cozinha;
1 conexão usada em mangueiras de água;
50cm de mangueira de 10mm;
1 garrafa de vinho (pra ir consumindo durante o processo de fabricação).

Fiz um furo maior no centro do tampão e mais 3 menores na lateral, para fixar os adaptadores para as mangueiras. O segredo é usar uma broca que permita "fazer a rosca" com os próprios adaptadores. E fixei o tampão ao filtro por uma abraçadeira.


 Desse jeito este "filtro extra" está pronto para ser fixado.
Comece fixando a mangueira mais grossa, e em seguida a mais estreita, deixando para o final as duas que se conectam às câmaras de diafragma do carburador.
No meu caso, para fixar tudo bastaram duas tie-wrap, que são aquelas abraçadeiras plásticas.









É isso ai. Fica a dica e até o próximo!

terça-feira, 28 de setembro de 2010

KTM 450 - coming soon...

E as notícias vão aparecendo...

Depois de um post no seu site no qual informava que acabara de receber a nova 450cc da KTM, agora Despres disponibiliza um vídeo de treinos e testes com a "bichinha".

Foi no último dia 23, através de sua página no Facebook.
video

No site da KTM não tem nada...
A apresentação oficial está marcada para o Salão de Milão, que acontece de 01 a 07 de Novembro, mas tem o Rally de Marrocos agora em Outubro... quem sabe ela aparece por lá...

Até o próximo!

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

A Azzurra virou Lucky e foi pra Tiradentes!

Olá galera!

Pois é, sempre falei que Cagiva Lucky Explorer é questão de identidade visual.
Assim como KTM é laranja e Kawasaki é verde, quando se pensa em Dakar e Cagiva a imagem que vem é o grafismo Lucky Explorer.
Por isso mesmo, todo o tempo que alimentei o sonho de uma Cagiva, este sonho era pintado de "lucky", então, depois de muito pesquisar, ouvir o pessoal do Desmo, e procurar quem fizesse o serviço, tomei a decisão de "mudar a roupa" da minha italiana.
Optei por uma mistura do grafismo da 900ie 1990, comemorativo aos 10 anos do Paris-Dakar, com o da 750 1994.

O grande receio que assombra todos é o problema com as bolhas no tanque. O tanque é plastico, fabricado pela Acerbis, e a ação de nossa (péssima) gasolina costuma causar bolhas. A dica é usar o melhor primer que o dinheiro possa pagar, pois ele é que vai segurar as malditas bolhas. Além disso tudo foi feito na tinta. Sem nenhum adesivo. Quem quiser informação sobre o pintor é só pedir que eu mando.
E com esta nova roupa é que pegamos a estrada para o 10° aniversário do grupo BigTrail, que foi comemorado com um encontro em Tiradentes-MG.
Tivemos alguns problemas no caminho...
Trânsito...
Gasolina...
Corrente...
 Mas chegamos bem!
Os desmobrothers cagiveiros deram um banho! Tinha mais Cagiva do que qualquer outra "coisa".
E o Ruy estava lá. Com pedra no rim e tudo! Fazendo uma inspeçãozinha básica...

É sempre muito legal conhecer pessoalmente gente com quem se conversa a um tempão pela internet.

Toda a troca de experiências, dicas e truques, conversa fiada e brincadeiras que rola virtualmente, aconteceu ao vivo, e regado a muita cerveja.
Nossas Cagivas, como sempre, se portaram muito bem. Já as "outras"...
Furquim já teve que começar a pagar cerveja pro "sirviçu" começar.
Como diz o Ruy, cagiveiro em geral é gente boa, que conhece e gosta de mecânica. Por isso, não é raro ver estas figuras com as mãos sujas e um sorriso no rosto ajudando proprietários de outras motos a resolver qualquer tipo de problema.
O passeio foi muito tranquilo, e o incômodo ficou por conta do trânsito do feriadão. Congestionamentos, acidentes, gente estressada... mas é melhor um mau dia de "e900 na estrada" do que um bom dia de trabalho!
Até o próximo!

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

2011 - Primeiros Prognósticos

Em janeiro de 2011 Chaleco Lopez, Helder Rodrigues, David Casteau e Fretigne devem largar com as mesmas motos que correram este ano.
Mas e Marc Coma? E Ullevalseter? E Cyril Despres? Vão rodar de que?
Só pra lembrar, nenhum deles vai poder usar moto acima dos 450cc, e neste ano todos usaram KTM 690.
No Rally dos Sertões Marc Coma usou novamente a KTM e venceu.
No Rally da Sardegna(IT)... mesma coisa, Coma em primeiro com KTM 690, e Despres em segundo com a mesma moto.
Tunísia, em maio... Coma em primeiro com KTM 690.
Deserto de  Abu Dhabi... Coma na frente com... KTM 690.

Pois as notícias vão chegando aos poucos.

Em julho passado a KTM anunciou que renovou contrato com Coma e Despress, e que estaria trabalhando na fase final de um projeto 4500cc para equipar os 2 pilotos.
Coma, como já vimos, continua usando o modelo 690cc, e vem ganhando até disputa de par-ou-ímpar, mas a própria KTM anunciou que o Sertões foi a despedida da 690cc.
No último dia 26, além de anunciar o nascimento de sua filha Laia, Despres informou que acaba de receber da KTM a novíssima 450cc, e que dedica-se o maior tempo possível à preparação para o Rally de Marrocos, que acontecerá em Outubro.
Em meu post final sobre o Dakar2010, apesar de não possuir bola de cristal, falei que a KTM deveria rever sua posição (retirada de sua equipe oficial da competição), aceitar o desafio, e tratar de colocar opções adaptadas à 'linha de corte' dos 450cc. Será que me escutaram?

Vou deixar o post sem fotos, já que as imagens da nova KTM 450 Rally, por enquanto, só aparecem nos sonhos dos aficionados...

Até o próximo.

domingo, 22 de agosto de 2010

Dakar 2011

Olá pessoal!

Já está definido o percurso do Dakar 2010.
Ainda no início deste ano havia alguma especulação sobre a possibilidade do Dakar ocorrer no Brasil, ou mesmo sobre ter alguma etapa em terra tupiniquim.
Nada feito.
Vai ficar mesmo na Argentina/Chile.


Os que acompanharam o blog na edição do Dakar deste ano já sabem, mas para quem não sabia, os pilotos da elite na edição 2011 serão obrigados a usarem motos com motor de, no máximo, 450cc.
Esta decisão, já no ano passado, desapontou muito a KTM, que inclusive retirou sua equipe oficial da competição.
As coisas ainda estão se definindo, e não se sabe ao certo quem vai correr com que moto. Um dos poucos pilotos de ponta que já se definiu foi o chileno "Chaleco" Lopez, que deve voltar de Aprillia.
"Il nono" Pico, parece que, desta vez, não vai correr. Ele está oferecendo serviços aos competidores. Em parceria com Gabbriele Cavallini, estão oferecendo "barba, cabelo, e bigode". Desde uma assistência "simples", na qual o piloto poderá usar a oficina do caminhão, bar, assessoria, etc. sem poder contar com mecânica, até serviço completo, que vai desde o aluguel e manutenção completa da moto (Yamaha WR F 450 2010 com kit's JVO Racing e preparadas pelo próprio "Nono" na Itália) até o uso completo dos serviços da equipe (Caminhão Mercedes 1636 4x4, 2 Pickups 4x4, translado de equipamento, mecânicos, cozinha, etc. - dizem que vai até massagista tailandesa...).

Vou acompanhando e trazendo aqui o que for mais interessante.


Até o próximo!

sábado, 19 de junho de 2010

Tô andando em outra moto

Calma... calma... não troquei o Cagivão não!!!
Não troco. Não vendo. Não empresto. E nem deixo dar voltinha.
Acho que vai ficar de herança... Xiiii... vai dar briga. São 3 herdeiros.
Bom... eles que se virem.

Tô andando em outra moto porque troquei o escape.
Rapaaaaaaiz!!! Tá voando!!!! E nem ajustei a carburação ainda!

Pois é, quando levei a moto no Ruy (lembram dele?) ele já tinha me dito que meu escape original tava com o catalizador meio "entupido", e que isso deixava o coração Ducati meio "preso".
Não que eu ache feio o escape original, mas acho muito bonito duas ponteiras, uma de cada lado.
Comecei a procurar na internet e encontrei umas fotos de um alemão que fez a adaptação. Daí troquei uns e-mails com o Ruy, e perguntei no Desmo se alguém já tinha feito isso. Várias pessoas fizeram, e os relatos eram animadores.
Basicamente você pode fazer de duas formas, ou com dutos independentes para cada cilindro, ou fazendo a junção dos dutos numa "marmita" e depois derivando de novo para as duas ponteiras.
Resolvi optar pela primeira possibilidade. Dutos independentes.
Daí saí procurando as ponteiras.
Até achei algumas da Roncar que pareciam boas (já usei destas em um Ténéré que tive), mas o Padu (outro Desmobrother) ofereceu um par de ponteiras originais da Ducati, e acabei ficando com elas.
Outro problema foi encontrar alguém que fizesse os dutos. Encontrar até foi fácil. Tem um monte de oficinas que fazem. Mas acontece que não é uma moto qualquer... é a minha!!! Então dei várias voltas e depois de uns 3 meses com as ponteiras na mão, decidi pela oficina.
Se eu tivesse tempo e as ferramentas que os caras tem, o trabalho ficaria mais bem feito, mas ficou bem aceitável.
Bom, chega de blá blá blá e vamos para as fotos...


É isso ai... Ficou assim.
Optei por trocar os piscas traseiros (usei os da VStrom), para não correr o risco de perder os originais, pois ficaram muito próximos do escape e poderiam ser danificados pelo calor. Foram limpos e guardados, junto com o escape e dutos originais.
Ainda falta ajustar a carburação, mas ficou muito boa mesmo! Tá andando mais (beeeem mais!), e tá com um ronco mais nervoso também. Não ficou barulhenta não, mas tá mostrando pros ouvidos as batidas do coração Ducati.

Até o próximo!